05 – O Dragão Aquático

07

– A natureza aquática do dragão

A arcaica função de guardião das águas está ligada primeiramente à serpente e depois ao dragão. Esse tipo de mitologia está presente nas culturas mais primitivas, como os aborígenes da Austrália. Ainda que, logicamente, tal idéia possua sua pré-história, Propp confessa que não existem materiais a esse respeito. Apenas é possível inferir com segurança que a serpente detentora das águas e o dragão engolidor fundem-se na mesma criatura.

O dragão serpentiforme, detentor das águas, aqui claramente delineado (talvez inconscientemente) pelas mãos do artista.

O dragão serpentiforme, detentor das águas, aqui claramente delineado (talvez inconscientemente) pelas mãos do artista.

Como vimos, primeiramente esse tipo de ser era benfazejo, nas culturas agrícolas ele passa a ser o deus da fertilidade da terra e até mesmo do homem. Mas, quando surge a estratificação social características do Estado, com seus deuses antropomórficos, sedentarismo e pecuária regular, as coisas mudam para o dragão. Os novos deuses passam a persegui-lo.

A forma serpentiforme é mais explícita nas criaturas marinhas, pois é a serpente que detem o elemento água.

A forma enguiliforme é mais explícita nas criaturas marinhas, pois é a serpente que detem o elemento água.

Aqui, minha namorada contempla versões gregas do dragão aquático, em dois afrescos expostos no Museu Nacional do Rio de Janeiro.

 

Na China, o dragão também é um ser fundamentalmente aquático, ele mora num palácio de cristal que pode ser visto em determinadas condições climáticas, nos arredores de Pequim.

Na China temos os exemplares mais bem definidos desse tipo de dragão.

Na China temos os exemplares mais bem definidos desse tipo de dragão.

Como desculpa para o início do combate, temos um abuso por parte dessa criatura mágica que guarda as águas. Por capricho, ele causa secas ou inundações.

04 another_windmill

-Os tributos ao dragão

Nas histórias, nossas belas e frágeis mocinhas tem sofrido desde o início do tempos.

Nas histórias, nossas belas e frágeis mocinhas tem sofrido desde o início do tempos ou, pelo menos, desde que o dragão se tornou mau.


Já falamos sobre o instinto sexual do dragão, sua capacidade de controlar a água e a agricultura incipiente que o homem dominava num estágio posterior ao tribal. É interessante como essas coisas se relacionaram no imaginário humano, dando origem aos muito comuns rituais de oferendas e sacrifícios à água e aos deuses que habitavam nela.

No filme Madagascar 2 temos outra cena muito interessante, quando eles oferecem à girafa em sacrifício à divindade de um vulcão para que o lago seco voltasse a encher.

Liderados pelo fanático rei Julian, a comunidade de animais se prepara para lançar à lava ums dos personagens principais.

Liderados pelo fanático rei Julian, a comunidade de animais se prepara para lançar à lava um dos personagens principais.

Enquanto assistia ao filme, e nessa cena em particular, minha prima observou uma coisa e disse: Engraçado, a girafa está parecendo uma noiva.

A girafa macho Melman, vestida de maneira apropriada e cômica.

A girafa macho Melman, vestida de maneira apropriada e cômica.

Naquele momento tive um estalo e me lembrei da parte do livro em que Propp fala sobre esses tipos de sacrifícios, em geral envolvendo uma jovem:

“Vestiam uma jovem de noiva, enfeitavam-na com flores, friccionavam seu corpo com ungüentos aromáticos e levavam-na até a margem, onde a deixavam sobre um rochedo ou pedra sagrada, e então um crocodilo a carregava para as águas do rio e o povo ficava plenamente convicto de que ela se tornara efetivamente a mulher do crocodilo, considerando que, se não fosse virgem, o crocodilo a devolveria.”

Os maias também enfeitavam belas jovens e as atiravam em um lago, para que a colheita de milho fosse farta. Na América Central, até hoje os índios acreditam que a seca só termina se alguém morrer afogado.

Sacrifício maia em adoração ao sol.

Sacrifício maia em adoração ao sol.

No entanto, cabe dizer que as sociedades em que ocorriam tais sacrifícios estavam ainda num nível muito primitivo de técnica agrícola. À medida que essa se aperfeiçoava, os laços familiares, a religião e a organização social se intensificavam, criando forte empatia com os sacrificados, principalmente com os parentes mais próximos. Aos poucos, a atenção foi desviada para as vítimas, e os executores ganharam aura de vilões.

08

Por isso, no conto, geralmente o herói é aquele que salva a vítima do sacrifício. Na época em que o rito era vivo, seria provavelmente linchado por tal ato, mas como sabemos, o conto representa uma narrativa tardia e desligada às crenças originais.

Em geral, as histórias desse tipo seguem as mesmas linhas básicas, como no filme Coração de Cavaleiro: uma jovem é oferecida em sacrifício para o dragão que ameaça a aldeia, mas eis que surge um príncipe à cavalo, liberta a jovem, mata a besta fera e se casa com a princesa. Nesses casos, o dragão é sempre um ser aquático. Nesse filme, no momento do sacrifício, o dragão (falsamente) agonizante desaba num lago, de onde ressurge tranquilamente depois. É um filme divertido, bem feito e legal de se ver, com várias características contidas no livro de Propp.

Cena de Coração de Cavaleiro, onde temos o típico dragão aquático.

Cena de Coração de Cavaleiro, onde temos o típico dragão aquático.

Anúncios

2 Comentários

  1. Hi,

    thanks for the great quality of your blog, each time i come here, i’m amazed.

    black hattitude.

    • Traduzindo: “Oi, obrigado pela ótima qualidade do seu blog, cada vez que venho aqui fico espantado.”
      Thanks digo eu pelo incentivo 😀


Comments RSS TrackBack Identifier URI

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s