Leituras de 2008

(223) A Mente – John R. Wilson (22/01/08)

(224) A VIDA VEM da VIDA – A. C. Bhaktivedanta Swami (23/01/08)

Embora tenha mostrado um conhecimento muito superficial da evolução darwiniana, o líder espiritual Bhaktivedanta Swami nos fornece pensamentos surpreendentes, muitos de acordo com as últimas descobertas da ciência. Por exemplo, acho que Einstein ia gostar de ouvir esse trecho que eu grifei:

“A idéia de vir está em nossas mentes porque estamos vivendo nesse mundo limitado, onde vemos que há um começo para tudo. Portanto, pensamos que as coisas estão vindo. Mas na verdade matéria e espírito já existem. Quando eu nasço, penso que o meu nascimento é o começo do mundo. Mas o mundo já existe.” P. 48

“Tanto você quanto a formiga vivem cem anos, mas a extensão de nossa duração de vida de cem anos é relativa aos nossos corpos.” p. 4

Já Pavlov ia gostar de ler isso:

“Quando você é condicionado, você pensa em termos de dualidades como calor e frio, dor e prazer. Mas quando você é liberado, não tem tais pensamentos condicionados. (…) ser condicionado significa que embora a entidade viva seja eterna, devido ao seu condicionamento ela pensa que nasceu, que está morrendo, que está doente ou que está velha. Mas uma pessoa não condicionada nem mesmo é velha.” p. 45

E sobre a vida após a morte? Quando eu era mais jovem, sempre pensava que se acaso houvesse mesmo uma vida do lado de lá, a passagem deveria ser uma experiência bem traumatizante, mais até do que o nascimento. Criado como católico, eu me preocupava com o fato da Igreja não lidar muito com essa experiência, dizendo apenas que renasceríamos no Paraíso. E se não fosse bem assim? E se uma pessoa muito simples desencarnasse e fosse parar em outro lugar, talvez no umbral? Que experiência chocante ir parar ali sem nem ter idéia do que estava acontecendo. Para explicar o que acontece (em sua concepção), Swami cita o próprio Krsna:

“Aqueles que adoram os semideuses nascerão entre os semideuses; aqueles que adoram os fantasmas e espíritos nascerão entre tais seres; aqueles que adoram os ancestrais irão aos ancestrais; e aqueles que Me adoram viverão coMigo. (Bg. 9.25)” p. 51

Acho que Nietzsche ia gostar dessa parte:

“A criação de Krsna é boa. Deus é bom. Aquilo que você pensa ser mau é bom para Deus. Portanto, não podemos entender Krsna. Ele está fazendo algo que em nossa consideração pode ser mau, mas para Ele não há tal coisa como bom ou mau.” p. 65

(225) Rua da Alegria – Frances P. Keyes (29/01/08)

Não se deve julgar um livro pela capa, mas esse eu li pela beleza física mesmo. É um livro vermelho, de capa dura, de uma coleção que comprei num sebo em BH algum tempo atrás.

(226) JUNG – das edições Planeta (31/01/08)

Eu já havia lido esse livro (não totalmente) antes de conhecer O Homem e Seus Símbolos, mas mesmo assim achei interessante. Essas antigas revistas Planeta realmente são excelentes. Nessa que fala sobre o psicólogo suíço temos uma pequena biografia, o relacionamento tempestuoso com Freud, cartas de Jung, seu horóscopo, Jung e a Alquimia, a análise dos sonhos, o processo de criação artística, aspectos psicológicos do ciclo menstrual da mulher, uma análise de Deus nos dias atuais, D. Juan e o bandeirante brasileiro, Iemanjá e o complexo-mãe ainda as comemorações do centenário de Jung. Realmente, muito bom.

(227) O MESTRE DA SENSIBILIDADE – Augusto Cury (09/01/08)

Augusto Cury era um psiquiatra ateu até resolver estudar a Bílbia para construir um diagnóstico clínico de Jesus. Foi nesse estudo que percebeu que a personalidade do Mestre continha elementos mutuamente exclusivos nos seres humanos comuns. O resultado foi uma série de cinco livros, dos quais esse é o segundo, onde esse estudo é explanado de forma muito impressionante.

(228) Eu Sou o Mensageiro – Markus Zusak (23/02/08)

(229) A REVOLUÇÃO DOS BICHOS – George Orwell (01/03/08)

Considero esse livro melhor que 1984, do mesmo autor. A história que parece filme de Sessão da Tarde (esperamos ver Pig, O Porquinho Atrapalhado surgir a qualquer momento), mas na verdade trata-se de uma crítica ao sistema comunista, que prega a igualdade mas explora o ser humano de forma ainda mais cruel que o capitalismo. Orwell foi corajoso ao escrever essa história em 1945, quando União Soviética e Estados Unidos estavam juntos contra o nazismo. Pra quem gosta de criticar o capitalismo e vê no comunismo um sistema romântico de igualdade, é uma boa lição, mostrando que a natureza humana é a mesma, independente da sociedade na qual se insere.

(230) BREVE ROMANCE DE SONHO – Arthur Schnitzler (10/04/08)

Li esse livro sem nem ter idéia de que fora a inspiração para que Stanley Kubrick filmasse De Olhos Bem Fechados, seu último filme, do qual sou fã, principalmente pela atuação de Tom Cruise. O livro é igualmente estranho e envolvente, narrando os estranhos acontecimentos noturnos na vida de um pacato médico.

Freud era um dos admirados do autor.

(231) A Morte e o Morrer – Magali R. Boemer (14/04/08)

(232) O MISTÉRIO DA CONSCIÊNCIA – Antonio Damásio (29/04/08)

Existem alguns livros um pouco maçantes, mas que devem ser lidos por sua importância. Só consegui terminar O Mistério da Consciência depois de umas quatro tentativas (sempre devolvendo à biblioteca e começando do início todas as vezes), mas valeu a pena. Para quem quer se tornar psicólogo, é indispensável.

(233) TERRA DOS HOMENS – Saint-Exupéry (05/05/08)

Mais um livro que comecei a ler pela beleza, mas cujo conteúdo ainda superou as expectativas. Como Exupéry conseguia escrever com tanta poesia? Terra dos Homens conta várias histórias de sua vida como piloto de guerra, e ler esses relatos é algo emocionante.

(234) O Despertar dos Mágicos (repeteco, ver livro 174, de 2004) – Louis Pauwels & Jacques Bergier (09/05/08)

(235) PSICOLOGIA DO INCONSCIENTE – Carl G. Jung (05/06/08)

Peguei esse livro de Jung com muita reserva, pois ainda estava influenciado por algumas opiniões de que Jung era muito difícil de se ler. Talvez isso até possa se dar com livros mais pesados, mas em Psicologia do Inconsciente a leitura flui fácil e compreensível até mesmo para quem é leigo como eu.

(236) Piloto de Guerra – Saint-Exupéry (09/07/08)

(237) O OITAVO PASSAGEIRO – Alan Dean Faster (01/08/08)

Tenho um certo preconceito com livros baseados em filmes, pois me parece um processo muito mecânico de escrita. Mas li O Oitavo Passageiro com a respiração presa, o suspense é mantido tanto quanto no filme.

(238) ENCONTRO COM RAMA – Arthur C. Clarke (04/08/08)

Uma das melhores ficções-científicas que eu já li na vida. Conta a história de um objeto cilíndrico alienígena que entra no sistema solar, atraindo a atenção dos humanos, que, claro, armam uma expedição para encontrá-lo.  Trata-se, na verdade, de uma espécie de estação espacial, ainda adormecida, que os personagens recebem a missão de explorar. Muito, muito bom!

(239) Os Frutos Dourados do Sol – Ray Bradbury (08/08/08)

(240) O RETRATO DE DORIAN GRAY – Oscar Wilde (13/08/08)

Se uma das frases de Oscar Wilde empresta até o nome para esse blog, como não falar de um livro dele aqui? Para quem gosta de vilões como eu, Dorian Gray sem dúvida figurará na galeria dos melhores, principalmente por conta de sua humanidade, algo poucas vezes explorado nos livros contemporâneos. Wilde vai fundo na descrição psicológica do personagem, que aliás vai passando por suas aventuras sem perder a elegância. Ótimo pra quem gosta de vilões. 😀

(241) Tem Alguma Coisa Babando Embaixo da Cama – Bill Watterson (16/08/08)

Não há muito o que dizer, sou fã ardoroso de Calvin e Haroldo. Todos os livros são bons.

(242) ENSAIO SOBRE A CEGUEIRA – José Saramago (20/08/08)

Meu Deus, como o Saramago pôde escrever uma história tão original e fascinante quanto esta? Eu decidi ler o livro ao ver o trailler do filme no cinema, até então não sabia que se tratava de um romance. Pra quem ainda não sabe, o livro conta a história de uma epidemia de cegueira que se espalha rapidamente no mundo, fazendo-o cair no caos absoluto. Os personagens não tem nomes, são identificados por certas características. É protagonizado pela mulher do médico, única que não fica cega e recebe nos ombros o peso de ter de cuidar de todos, os pelo menos de todos a quem ela conhece. Saramago nos faz acompanhar os primeiros a ficarem cegos, trancafiados dentro de um antigo prédio abandonado, que servia como hospício. Lá vemos todo tipo de degradação e violência humana. Mais tarde, quando a epidemia já alcançou níveis mundiais, eles conseguem sair, e encontram um mundo devastado. O filme também foi muito bom, mas o livro é melhor por conter detalhes adicionais. Por exemplo, fiquei impressionado ao ler a parte onde eles chegam até uma senhora, vizinha da menina de óculos. A velha vivia em seu apartamento imundo, e para se alimentar balançava folhas de couve na porta da cozinha, até que um de seus coelhos viesse comer. Então ela quebrava o pescoço do bicho e, como não conseguia mais lidar com o fogão, comia a carne crua mesmo. Em todo o apartamento se espalhavam restos de pelos e ossinhos.

 Algumas pessoas tem dificuldades em ler Saramago, por causa do seu famoso jeito característico de escrever, mas para mim a leitura fluiu ainda melhor por conta disso. Mas ainda que fosse escrito de forma tradicional, o livro seria extraordinário. Devorei em menos de sete dias. Ainda tenho que comprar meu exemplar.

(243) O Segredo da Flor de Ouro – Jung & Wilhelm (27/08/08)

Aí está um livro de Jung realmente complicado de ler, fui da primeira à última página sem entender nada.

(244) A Caverna – José Saramago (05/09/08)

(245) AS RAÍZES HISTÓRICAS DO CONTO MARAVILHOSO – Vladímir Propp (22/09/08)

Também um dos melhores livros que já li na vida, para entender esse entusiasmo basta verificar que existe uma categoria no blog, Um História do Dragão, toda dedicada a uma parte desse livro. Propp, com uma escrita muito clara, analisa o enredo básico do conto de fada, buscando nos antigos ritos tribais as origens para seus personagens e ações. Não tem como explicar, é muito bom.

(246) Androginia – Elémire Zolla (22/09/08)

(247) Sonhos e Visões – David Coxhead & Susan Hiller (25/09/08)

(248) MALUNGO – Bentto de Lima (31/10/08)

Uma análise psicológica profunda da Umbanda, ótimo para quem se interessa por religiões. Desde que li esse livro fiquei com vontade de presenciar o ritual, mas ainda não tive oportunidade.

(249) Deuses, Espaçonaves e Terra – Erick Von Däniken (01/11/08)

Aqui Däniken continua sua análise das evidência da presença alienígena no passado distante da Terra. Risível em algumas hipóteses, intrigante na maioria delas.

(250) Comicidade e Riso – Vladimir Propp (17/11/08)

(251) O CARDUME – Frank Schätzing (24/11/08)

Talvez a melhor ficção científica que eu já tenha lido. Com 900 páginas de letras miúdas e conteúdo denso, engoli a história de Schätzing em 9 dias, isso em final de período, com provas, trabalhos e estágio na Embrapa. Embora o assunto seja diferente, me pareceu um Dan Brown hipertrofiado: não há maneiras de largar o livro, mas o conteúdo vai muito mais profundo. Os personagens são muitíssimo bem construídos (Fabíola me chama de Johanson em Quem Sou Eu, por causa de um deles. Fiquei muito lisonjeado porque se trata de um biólogo de sucesso, um futuro que talvez ainda me espere).

A história começa com acontecimentos bizarros envolvendo criaturas marinhas ao redor do globo, que vão piorando a cada momento, até que toda a humanidade esteja sofrendo com mecanismos intricados de ataque, que só podem advir de uma inteligência, mas quem seria tal inimigo? Pra quem gosta de suspense, excelente, pra quem gosta de ficção científica, excelente, pra quem gosta de biologia marinha, excelente, pra quem gosta de uma boa história, excelente.

Parece que o livro também foi publicado sob o nome de O Quinto Dia. Sinceramente não sei como não fez mais sucesso.

(252) Coronel Fawcett – Hermes Leal (01/12/08)

Anúncios